segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Crónica de impropérios adiados

Sábado, ao final da tarde, desci à garrafeira para escolher o vinho a servir. 
O J. Vaz, meu amigo desde os tempos que a memória residente recorda, haveria de chegar para jantar. E, com ele, traria invariavelmente, uma garrafa de vinho do Alentejo. (Abro aqui um parêntesis para vos confidenciar que o J. Vaz, aparvalhadamente, prefere os vinhos do Alentejo aos do Douro.) Tão certo ele trazer um tinto alentejano, como eu levar-lhe um do Douro.
Enquanto me decidia entre Duas Quintas ou Quinta do Crasto, dei-me conta de que a Herdade do Rocim ganhava na proporção de 3 para 1. 
Transtornado, vacilei. A predominância era-me amarga e inadmissível! Resolutamente, decidi repor o equilíbrio; restaurar as minhas preferências ao seu lugar de direito; superar os adversários, inclusive em número; e, pelo menos na minha garrafeira, conceder vitória aos do meu coração (não, isto não é um post sobre o meu Benfica).

Durante o jantar, brindámos aos dias decrescentes com um Herdade dos Grous. 


6 comentários:

  1. Um Alentejano tinto e boa companhia ficam sempre bem, "nã diga isso do moçe, entã!"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Urso Misha,
      Deixe ficar comigo a boa companhia que de nada mais preciso.
      (Não é que não goste dos vinhos do Alentejo. É que prefiro os do Douro.)
      Um abraço,
      Outro Ente.

      Eliminar
  2. Como de vinhos não percebo nada e desta crónica pouco percebi, acho que também terei que adiar um comentário de jeito. Porém, sem impropérios, pois creio que essa má disposição se deve à sua adega ter mais tintos do que brancos, e mais verdes do que maduros, é isso? Que exagero, Outro Ente!...

    PS- Então acha que a sua menina com 12 anos completos é uma criança de "tenra idade"?...Diga-lhe isso diga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Maria Antónia,
      não sei a que má disposição se refere. Certamente, não à predominância de tintos.
      Bom dia,
      Outro Ente
      PS - Na verdade, não. É a minha menina. E digo-lho todos os dias.

      Eliminar
    2. Ai, ai, ai...já é a segunda vez que o corrijo: Maria Antonieta, sff.

      Bom dia, Outro Ente.

      Eliminar
    3. Sei bem que é Maria Antonieta. Sucede que não tomei atenção quando corrigido automaticamente. Peço que me releve o lapso e que o mesmo, de futuro, se não repita.

      Eliminar